A estranha saudade do país do futuro

A estranha saudade do país do futuro

Desde minha infância, procuro
um país que se esconde, que escondem, que sufocam, que impedem que floresça.
Desde que me entendo por gente, ouço falar do “país do futuro”. Já vivi quase
60 anos, e nunca o futuro chega. Vai sendo adiado, enquanto atravessamos
momentos muito ruins, ruins e menos ruins.

Somos desafiados diariamente, quase perdemos a esperança, a fé. E respiramos, e voltamos. Vamos catando os pedaços que nos ficam, na tentativa de reconstruir um sonho, de não desistir dele… Nem todos podem se levantar. Há, claro, os que fenecem, sem que surjam novos sonhos capazes de apontar o futuro, um novo futuro, que seja… Ainda assim, decente.

Somos ricos, vivemos na riqueza, mas nos negam todos os recursos. Quanto mais queremos o futuro prometido, mais ele se afasta

Vivemos numa vastidão de
possibilidades. Na amplidão continental de um país, nas paisagens mais variadas
e lindas… Léguas, e léguas, e léguas, mas nos falta o horizonte. Somos o país
da contradição. Somos imensos, um potencial imenso, mas seguimos reféns de um
futuro que grita eternamente e jamais se realiza.

Somos ricos, vivemos na
riqueza, mas nos negam todos os recursos. Quanto mais queremos o futuro
prometido, mais ele se afasta. Ainda assim, acreditamos no triunfo do bem…
Somos um país tomado por egoístas e oportunistas. A eles não servem as
referências, nem as positivas, nem as negativas. O mundo real não cabe como
exemplo. Nosso milagre parece uma farsa.

Falamos a mesma língua, por onde quer que se ande. Temos expressões para tudo, temos palavras para tudo, somos pródigos em sinônimos, mas somos reféns do antônimo da jornada correta. O caminho está diante de nós, e clama para que o tomemos, para que o trilhemos inapelavelmente, mas qualquer passo por ele vira um tropeço. Somos barrados, empurrados, caímos e levantamos, caímos e levantamos.

Quando fomos livres não sei.
Fomos, algum dia? De liberdade, talvez, só tenhamos ouvido falar. Aqueles que a
tomam de nós juram que a protegem, que nos protegem. Nosso futuro impossível é
o silêncio que nos impõem agora. Somos um fio de voz, a autocensura, as
palavras medidas, os cuidados insanos. Somos um país obrigado a descartar
opiniões e críticas fundamentais. Nosso olhar no passado, no presente e nosso
olhar adiante são prisioneiros.

Andamos à procura da alegria, do otimismo… Não podemos fraquejar, falhar. Olhamos em volta e encontramos forças. Respiramos, nos recompomos. Haverá o país do futuro, construído incansavelmente, contra tudo e contra todos, no presente, o Brasil pelo qual temos dedicado as nossas vidas. Nosso tempo é sempre, nossa luta é eterna. Não seremos mais o país da saudade, a saudade de um país que nunca existiu, essa estranha saudade do futuro que nos é negado.

Conteúdo editado por:Marcio Antonio Campos

source
Siga o canal Conexão Libertas no WhatsApp:

https://whatsapp.com/channel/0029Va60fTpHQbS8xzf9zq1M

Siga o canal Conexão Libertas no Telegram:

https://t.me/conexaolibertas


Descubra mais sobre Conexão Libertas

Assine para receber os posts mais recentes por e-mail.

Deixe um comentário