CNJ julga processo de Moro e desembargadores da Lava Jato

CNJ julga processo de Moro e desembargadores da Lava Jato

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) se reúne nesta terça-feira (16)  para julgar a atuação de Sergio Moro e outros magistrados  na Operação Lava Jato.

Será analisada uma reclamação disciplinar protocolada pelo corregedor nacional de Justiça, ministro Luiz Felipe Salomão, em 2023. O julgamento foi marcado pelo presidente do CNJ, Roberto Barroso.

O corregedor concluiu que houve uma “gestão caótica” no controle de valores de acordos de delação e leniência firmados na Lava Jato. A conclusão do relatório parcial de inspeção foi realizada pelo conselho na 13ª Vara Federal em Curitiba, que foi chefiada pelo ex-juiz e atual senador Sergio Moro (União-PR).

Ainda  na mesma sessão plenária será analisada a conduta da  Juíza Gabriela Hardt e outros três desembargadores após o ministro Luís Felipe Salomão afastar os magistrados das funções.

Hardt e os desembargadores do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) foram afastados acusados de burlarem a ordem processual e desobedecer decisão do Supremo Tribunal Federal (STF).

No caso da juíza, que assumiu a 13ª Vara como substituta de Sergio Moro, em 2019, Salomão considerou que “a presença de fortes indícios de participação da magistrada apontam para o comprometimento do exercício da função judicante e da credibilidade do Poder Judiciário, o que recomenda o excepcional afastamento das funções do cargo de desembargador, ainda na fase investigatória, prévia à de eventual oferecimento de denúncia, de modo a preservar-se a segurança e a confiança que a sociedade deve ter no conteúdo das decisões judiciais”, considerou o corregedor.

O corregedor considerou que Hardt cometeu irregularidades ao homologar um contrato que permitia a criação de uma entidade privada para gerir recursos recuperados pela Lava Jato. O fundo teria dirigentes do Ministério Público Federal (MPF) na direção.

No caso dos magistrados, a corregedoria considera que houve desobediência a ordens do STF ao, por exemplo, decretarem prisão de pessoas que tiveram processos suspensos pela Corte em primeira instância.

source


Descubra mais sobre Conexão Libertas

Assine para receber os posts mais recentes por e-mail.

Deixe um comentário