Comissão de Educação do Senado aprova Novo Ensino Médio

Comissão de Educação do Senado aprova Novo Ensino Médio

Em votação simbólica, a Comissão de Educação do Senado aprovou, nesta quarta-feira, 19, o Projeto de Lei (PL) do Novo Ensino Médio. Os parlamentares aprovaram ainda um requerimento de urgência para que o texto siga diretamente ao plenário da Casa. Se aprovado pelo plenário, a matéria retornará à Câmara dos Deputados em virtude de alterações.

A relatora do projeto, senadora Professora Dorinha (União Brasil-TO), realizou algumas mudanças, mas recuou em outras, como a diminuição da carga horária das disciplinas tradicionais, ou seja, obrigatórias. Desse modo, o texto define que a formação geral básica terá 2,4 mil horas, igual à matéria aprovada pela Câmara dos Deputados.

Até o momento, 1,8 mil horas são destinadas às disciplinas obrigatórias. Segundo Dorinha, o aumento no texto do Novo Ensino Médio deve ser implementado em 2025 para os estudantes que estão nos itinerários, que escolhem o que cursar, de linguagens, matemática, ciências humanas e naturais.

+ Leia mais sobre Política em Oeste

“É imperioso lembrar que esses últimos itinerários (de 600 horas) serão de aprofundamento nas áreas do conhecimento propostas na BNCC, articuladas às diretrizes de aprofundamento a serem elaboradas pelo CNE”, informou o relatório da senadora.

Com relação aos alunos do ensino técnico, Dorinha estabeleceu que a carga horária de formação geral básica aumente, a partir de 2025, para o mínimo de 2,2 mil horas, com a possibilidade de aproveitamento integrado de 200 e 400 horas do itinerário das disciplinas tradicionais.

Contudo, a partir de 2029, a carga horária total do ensino médio vai precisar aumentar para os alunos de ensino técnico, passando para 3,2 mil, 3,4 mil e 3,6 mil, dependendo do curso. Assim, o estudante cursaria 2,4 mil horas de formação básica mais 800, mil ou 1,2 mil de cursos técnicos. Para Dorinha, 70% do ensino técnico no Brasil tem entre mil e 1,2 mil horas.

+ PT move ação contra presidente do BC antes de divulgação da Selic

Segundo o relatório, o ajuste temporal reduz “o risco de que se estabeleçam trajetórias duais para o ensino médio, que, mesmo inadvertidamente, promovam a desigualdade, por meio da distinção entre a carga horária de formação geral básica dos cursos de ensino médio com itinerários formativos de aprofundamento de áreas do conhecimento e dos cursos com formação técnica e profissional”.

Relatora mudou texto do Novo Ensino Médio depois de nota do Consed

No primeiro relatório divulgado por Dorinha, ela havia definido 2,2 mil horas para a formação básica. Mas o Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed) publicou, na segunda-feira 17, uma carta em que defende a aprovação do projeto nos moldes aprovados pela Câmara.

+ Lula volta atacar Banco Central: ‘É a única coisa desajustada’

O Consed destacou ainda reconhecer que “o texto da Câmara representa um ponto de equilíbrio entre as diferentes demandas e preocupações dos Estados brasileiros e das instituições envolvidas no debate e que qualquer modificação substancial, neste momento, apenas atrasará ainda mais a implementação das tão necessárias mudanças no ensino médio”.

Apesar disso, o novo parecer mantém outras mudanças criticadas pelo Consed, como a obrigatoriedade do espanhol no currículo escolar. Desse modo, o texto deve voltar à Câmara se o Senado aprovar o parecer de Dorinha.

O relatório da senadora define ainda que o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) vai ter como base somente a formação geral básica e limita a regra do notório saber para profissionais para ser usado em “caráter excepcional e mediante justificativa do sistema de ensino”. Confira outras alterações:

  • Mudança na norma do EaD definindo a modalidade para “casos de excepcionalidade emergencial temporária reconhecida pelas autoridades competente”;
  • Restrição na regra de aproveitamento das atividades extraescolares, retirando grêmios, cursos de qualificação profissional e trabalhos voluntários. Ficam apenas estágio, aprendizagem profissional, extensão universitária e iniciação científica;

source


Descubra mais sobre Conexão Libertas

Subscribe to get the latest posts sent to your email.

Deixe um comentário