Falta até seringa em hospital federal do RJ que será municipalizado

Falta até seringa em hospital federal do RJ que será municipalizado

O processo de municipalização do Hospital Federal do Andaraí, no Rio de Janeiro, começou nesta segunda-feira, 8. Com isso, haverá transferência da gestão dos serviços de saúde do governo federal para a Prefeitura do Rio.

Servidores em greve há 54 dias destacam problemas, como a falta de seringas no local. Os profissionais alegam que a transferência para a prefeitura não vai solucionar problemas crônicos, como o fechamento de 120 leitos e a falta de médicos.

Depois de 90 dias, a administração compartilhada entre a prefeitura e o Ministério da Saúde poderá ser prorrogada. As informações constam no Diário Oficial da última sexta-feira, 5.

Isso deve acontecer até que o município assuma definitivamente a unidade de saúde. A mudança ocorre durante uma crise de gestão das unidades federais.

+ Leia mais notícias de Política em Oeste

Um médico fisioterapeuta do Centro de Tratamento de Queimados relatou ao jornal O Globo que a unidade está sem condições de receber pacientes infantis, em razão da falta de materiais e de mão de obra.

Ele informou que a enfermaria infantil está sem pediatra há mais de cinco anos, o que impossibilita as internações no setor.

Desafios e situação atual do Hospital do Andaraí

O Hospital do Andaraí foi escolhido para a transferência por apresentar desafios significativos.

Com apenas 55% dos seus 304 leitos ocupados, a unidade de média e de alta complexidade está com a emergência fechada e obras inacabadas, como a do setor de radioterapia.

Ontem, pacientes na urgência do Andaraí foram orientados a buscar atendimento no Hospital Municipal Souza Aguiar. Um funcionário disse que “só se estiver morrendo” receberiam atendimento.

O impacto nos pacientes

Anderlane Pereira, auxiliar de enfermagem do setor de cirurgia plástica, afirmou que a unidade carece de insumos básicos, como seringas.

Pereira criticou o fechamento da cozinha, que prejudica a alimentação dos pacientes e o atendimento de emergência.


Os pacientes também reclamam dos problemas na unidade. Gilberto Olímpio, de 70 anos, que trata de um câncer no reto desde 2016, afirmou que teve suas sessões de quimioterapia suspensas por três meses em virtude da falta de medicamentos.

Ele também relatou que encontrou a unidade fechada por causa da greve e precisou buscar atendimento no Souza Aguiar.

Discussões entre prefeitura e Ministério da Saúde

O prefeito do Rio, Eduardo Paes (PSD), se reuniu com a ministra da Saúde, Nísia Trindade, para discutir a transferência do Hospital Federal do Andaraí, que começa hoje.

As equipes técnicas vão definir a gestão compartilhada pelos próximos 90 dias, o que inclui orçamento e gestão de pessoal.

A União vai ceder bens móveis e imóveis, além de servidores federais. Ao fim do período, a prefeitura vai assumir toda a administração do Andaraí.

A descentralização dos outros cinco hospitais federais no Rio também está sendo negociada. A medida do Ministério da Saúde, contudo, não agradou aos servidores do Andaraí.

A Secretaria Municipal de Saúde afirmou que ainda vai definir e comunicar os detalhes e metas da contratualização nos próximos dias. A pasta ainda destacou que a parceria pretende recuperar plenamente o hospital e a integração ao Sistema Único de Saúde.

Leia mais:


Leia mais:

source


Descubra mais sobre Conexão Libertas

Subscribe to get the latest posts sent to your email.

Deixe um comentário