Governo Lula apaga transmissão do ato do 1º de Maio, depois de pedir voto para Boulos

Governo Lula apaga transmissão do ato do 1º de Maio, depois de pedir voto para Boulos

O governo de Luiz Inácio Lula da Silva resolveu apagar das redes sociais a transmissão do ato do 1º de Maio, Dia do Trabalhador. A decisão se deu porque o petista cometeu ilícito eleitoral ao pedir votos para o deputado federal Guilherme Boulos (Psol), pré-candidato à Prefeitura de São Paulo.

A ação do presidente é ilegal, segundo a legislação brasileira, pois a propaganda eleitoral pode ocorrer só depois do início da campanha.

+ Leia mais notícias da Política em Oeste

A gravação estava no canal de YouTube do CanalGov, mas foi apagada. A mesma transmissão, contudo, segue disponível no perfil pessoal de Lula no YouTube.

Vídeo: em 1° de maio, Lula pede votos para Boulos

“Esse rapaz está disputando uma verdadeira guerra aqui em São Paulo”, disse Lula ao lado de Boulos. “Ele está disputando com o nosso adversário nacional. Ele está disputando contra o nosso adversário estadual e está disputando contra o nosso adversário municipal.”

“Ele enfrenta três adversários, e por isso quero dizer para vocês: ninguém derrotará esse moço aqui, se vocês votarem no Boulos para prefeito de São Paulo nas próximas eleições”, disse o petista. “Vou fazer um apelo: cada pessoa que votou o Lula em 1989, em 1994, em 1998, em 2006, em 2010, em 2018 e em 2022 tem de votar no Boulos para prefeito de São Paulo.”

+ Tarcísio sanciona ‘Dia dos Heróis da Polícia Militar’

A lei eleitoral restringe a propaganda antecipada na pré-campanha. Caso a Justiça entenda que houve ilícito eleitoral na fala do presidente, ele pode ser punido com uma multa de R$ 5 mil a R$ 25 mil.

A propaganda eleitoral será permitida apenas depois de 16 de agosto, quando as candidaturas já estiverem registradas na Justiça Eleitoral.

+ “Lula admite fracasso em ato no 1º de Maio: ‘Mal convocado’”

O evento em que Lula e Boulos estavam era do governo federal. Isso pode ser investigado, tendo em vista que um possível uso da máquina pública em benefício de algum pré-candidato pode ser abuso de poder político.

YouTube video

Pré-candidato ao mesmo posto, o deputado federal Kim Kataguiri (União Brasil-SP) usou as redes sociais para afirmar que Lula “cometeu crime eleitoral”. “Isso é campanha antecipada”, escreveu. “Vamos entrar com ação na justiça imediatamente.”

Procurado por Oeste, o atual prefeito da cidade, Ricardo Nunes (MDB), que deve antagonizar com Boulos em virtude do apoio que deve receber do ex-presidente Jair Bolsonaro, não comentou o ato até a publicação desta reportagem.


source


Descubra mais sobre Conexão Libertas

Assine para receber os posts mais recentes por e-mail.

Deixe um comentário