Irã alerta Israel contra retaliação; potências globais pedem ‘moderação’

Irã alerta Israel contra retaliação; potências globais pedem ‘moderação’

O Irã alertou Israel e os Estados Unidos neste domingo (14) sobre uma resposta muito maior se houver qualquer ‘retaliação’ por seu ataque em massa de drones e mísseis em território israelense durante a noite, já que Israel disse que “a campanha é ainda não acabou”.

A ameaça de uma guerra aberta que irrompe entre os arqui-inimigos do Médio Oriente e que arrasta os Estados Unidos colocou a região em estado de alerta, uma vez que Washington disse que a América não procurava conflito com o Irã, mas não hesitaria em proteger as suas forças e Israel.

O Irã lançou o ataque devido a um suposto ataque israelita ao seu consulado na Síria, em 1 de Abril, que matou os principais comandantes da Guarda Revolucionária e seguiu-se a meses de confrontos entre Israel e os aliados regionais do Irão, desencadeados pela guerra em Gaza.

No entanto, o ataque de centenas de mísseis e drones, na sua maioria lançados a partir do interior do Irã, causou apenas danos modestos em Israel, uma vez que a maioria foi abatida com a ajuda dos EUA, Grã-Bretanha e Jordânia.

 

Uma base da Força Aérea no sul de Israel foi atingida, mas continuou a operar normalmente e uma criança de 7 anos ficou gravemente ferida por estilhaços. Não houve outros relatos de danos graves.

“Interceptamos, repelimos, juntos venceremos”, disse o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, nas redes sociais antes de uma reunião do gabinete de guerra para discutir uma resposta ao ataque.

O ministro da Defesa israelense, Yoav Gallant, disse que apesar de frustrar o ataque, a campanha militar ainda não terminou e “devemos estar preparados para todos os cenários”.

O Canal 12 de TV de Israel citou um oficial israelense não identificado durante a noite dizendo que haveria uma “resposta significativa” ao ataque.

O ministro das Relações Exteriores iraniano, Amir Abdollahian, disse que Teerã informou aos Estados Unidos que seu ataque a Israel seria “limitado” e para legítima defesa.

Ele disse que os vizinhos de Israel também foram informados dos ataques planejados com 72 horas de antecedência.
Em paralelo, as potências globais Rússia, China, França e Alemanha, bem como os estados árabes Egito, Catar e Emirados Árabes Unidos, pediram ‘moderação’.

“Faremos tudo para impedir uma nova escalada”, disse o chanceler alemão, Olaf Scholz, aos jornalistas durante uma visita à China. “Só podemos alertar a todos, especialmente ao Irã, contra continuar desta forma.” A Turquia também alertou o Irã que não deseja mais tensões na região.

A missão da República Islâmica nas Nações Unidas disse que as suas ações visavam punir “crimes israelitas”, mas que agora “considerava o assunto encerrado”.

O chefe do Estado-Maior do exército iraniano, major-general Mohammad Bagheri, alertou na televisão que “nossa resposta será muito maior do que a ação militar desta noite se Israel retaliar contra o Irã” e disse a Washington que suas bases também poderiam ser atacadas se ajudassem Israel a retaliar.

O presidente dos EUA, Joe Biden, prometeu apoio “firme” a Israel contra o Irão, mas não anunciou qualquer resposta militar no sábado à noite, dizendo que, em vez disso, coordenaria uma resposta diplomática com outros líderes ocidentais.

G7 debate
A Itália, que detém a presidência rotativa do G7, convocou uma reunião por vídeo dos líderes do G7 no domingo para discutir o ataque do Irã a Israel na noite de sábado.

O ataque iraniano em resposta a um suposto ataque aéreo israelita ao complexo da embaixada do Irão em Damasco, em 1 de Abril, aumentou a ameaça de um conflito regional mais amplo.

“Expressamos a nossa profunda preocupação com uma maior desestabilização da situação na região e continuamos a trabalhar para evitar isso”, disse a primeira-ministra italiana, Giorgia Meloni, na plataforma de redes sociais X.

 

A teleconferência do G7 será realizada no início da tarde, horário europeu, informou um comunicado do governo italiano.

O presidente dos EUA, Joe Biden, prometeu uma resposta diplomática coordenada do G7 ao ataque de drones e mísseis, que condenou, e o ministro das Relações Exteriores italiano, Antonio Tajani, disse esperar que o governo israelense mostre moderação em sua resposta.

“Espero que o governo israelense adote uma linha cautelosa. Espero que não haja contra-ataque ao contra-ataque”, disse Tajani a uma rádio.

O G7 agrupa os Estados Unidos, Canadá, Itália, Grã-Bretanha, França, Alemanha e Japão. Seus ministros das Relações Exteriores estão programados para se reunirem de 17 a 19 de abril na ilha italiana de Capri. E mais: Sirenes e estrondos em Israel, enquanto Irã dispara dezenas de mísseis balísticos. Clique AQUI para ver. (Foto: Ministério da Defesa de Israel; Fontes: Reuters; Times of Israel)

Gostou? Compartilhe!


source


Descubra mais sobre Conexão Libertas

Assine para receber os posts mais recentes por e-mail.

Deixe um comentário