Israel demite oficiais de alto escalão após ataque contra funcionários de ONG em Gaza

Israel demite oficiais de alto escalão após ataque contra funcionários de ONG em Gaza

O Exército israelense decidiu demitir dois oficiais superiores, nesta sexta-feira (5), além de repreender outros dois comandantes após o ataque contra trabalhadores humanitários da ONG World Central Kitchen (WCK), fundada pelo chef espanhol José Andrés.

A investigação feita pelas Forças Armadas de Israel concluiu que suas tropas identificaram dois “homens armados” nos caminhões de ajuda enquanto o comboio se dirigia para um armazém na cidade de Deir al Balah. Os veículos, que não foram identificados na ocasião pelos militares como associados à WCK, deixaram o local após o descarregamento e um dos comandantes assumiu erradamente que homens armados estavam dentro dos carros e seriam vinculados do Hamas, segundo o documento.

As conclusões da investigação foram apresentadas nesta quinta-feira (4) ao chefe do Estado-Maior das Forças de Defesa de Israel (IDF), Herzi Halevi, e tornadas públicas nesta sexta.

“As forças não identificaram os veículos em questão como associados à WCK. Após uma identificação incorreta pelas forças, estas atacaram os três veículos da WCK com base na classificação incorreta do evento e na identificação incorreta de que os veículos continham agentes do Hamas em seu interior”, detalha a investigação do FFAM.

O Exército afirmou que a comitiva da WCK foi atingida por três mísseis disparados por um drone, o que constituiu “uma grave violação das ordens e procedimentos operacionais padrão das Forças de Defesa de Israel”, segundo a investigação.

“As conclusões da investigação indicam que o incidente não deveria ter ocorrido. Aqueles que aprovaram o ataque estavam convencidos de que o seu alvo eram agentes armados do Hamas e não funcionários da WCK”, disse o FFAM, que também apontou “erros na tomada de decisões”.

Após análise das conclusões do relatório, o chefe do Estado-Maior adotou as seguintes medidas: destituir o comandante do apoio de fogo da brigada, um oficial com patente de major; e o chefe da brigada, um coronel da reserva; além de repreender os comandantes tanto da brigada quanto da 162ª divisão, que atua no centro da Faixa.

Ainda, Halevi irá “repreender formalmente” o chefe do Comando Sul, por sua “responsabilidade geral no incidente”.

“Levamos a sério o grave incidente que ceifou a vida de sete trabalhadores humanitários inocentes. Expressamos o nosso profundo pesar pela perda e enviamos as nossas condolências às famílias e à organização WCK”, declarou Israel.

O Exército disse ainda que considera a atividade das agências humanitárias na Faixa “de vital importância” e comprometeu-se a garantir sua segurança. Mais cedo nesta sexta (5), Israel anunciou que tomará “medidas imediatas” para aumentar a quantidade de ajuda humanitária que permite entrar na Faixa de Gaza, depois de o presidente dos EUA, Joe Biden, pedir uma melhora na situação do enclave durante uma conversa por telefone com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu. (Com Agência EFE)

source


Descubra mais sobre Conexão Libertas

Assine para receber os posts mais recentes por e-mail.

Deixe um comentário