Londres convoca embaixadora de Israel por morte de 3 trabalhadores humanitários britânicos

Londres convoca embaixadora de Israel por morte de 3 trabalhadores humanitários britânicos

O governo do Reino Unido convocou nesta terça-feira (2) a embaixadora de Israel em Londres, Tzipi Hotovely, devido à morte de três trabalhadores humanitários britânicos da ONG World Central Kitchen (WCK) em um ataque israelense na Faixa de Gaza.

Em comunicado, a chancelaria britânica frisou que foi
transmitida à embaixadora “a condenação inequívoca pela horrível morte de sete
colaboradores da WCK, incluindo três cidadãos britânicos”.

A ONG fundada pelo chef espanhol José Andrés havia noticiado
anteriormente a morte de um cidadão britânico.

No encontro com a embaixadora, o secretário de Estado para
Desenvolvimento e África, Andrew Mitchell, exigiu uma investigação rápida e
transparente, que também seja compartilhada com a comunidade internacional e
resulte em uma total prestação de contas.

Da mesma forma, Mitchell instou Hotovely a que Israel
implementasse imediatamente um mecanismo de desescalada e permitisse que mais
ajuda humanitária chegasse urgentemente a Gaza.

Além da convocação da embaixadora, o ministro das Relações
Exteriores britânico, David Cameron, falou por telefone com seu homólogo
israelense, Israel Katz, para instar seu país a “explicar urgentemente como
isto aconteceu” e a fazer “grandes mudanças que garantam a segurança dos trabalhadores
humanitários no terreno”.

Cameron classificou as mortes dos trabalhadores da WCK como “completamente
inaceitáveis” em sua conversa com Katz.

Anteriormente, o primeiro-ministro britânico, Rishi Sunak,
disse ter ficado “chocado e triste” com a notícia e pediu uma investigação
urgente porque “há claramente questões que precisam de respostas”.

Uma entidade independente, o Mecanismo de Investigação e
Avaliação de Fatos, investigará o ataque em que sete trabalhadores humanitários
da ONG foram mortos em Gaza, segundo disse o Exército israelense nesta
terça-feira.

Por sua vez, a WCK anunciou que está suspendendo suas
operações em Gaza após confirmar a morte dos seus sete trabalhadores.

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, admitiu que
o Exército israelense matou de forma não intencional trabalhadores humanitários
da WCK na Faixa de Gaza.

“Infelizmente, no último dia houve um caso trágico em que as
nossas forças atingiram de forma não intencional pessoas inocentes na Faixa de
Gaza”, disse o premiê.

Netanyahu, que recebeu alta nesta terça do hospital onde operou de uma hérnia, reiterou que o incidente será investigado exaustivamente e disse que “esse tipo de situação pode acontecer durante uma guerra”. “Faremos todo o possível para garantir que isso não aconteça novamente”, disse.

source


Descubra mais sobre Conexão Libertas

Assine para receber os posts mais recentes por e-mail.

Deixe um comentário