Moradores de Roraima seguem sem energia da Venezuela após Brasil retomar acordo de importação

Moradores de Roraima seguem sem energia da Venezuela após Brasil retomar acordo de importação

O estado de Roraima ainda não começou a receber
a energia elétrica importada da Venezuela após a retomada do acordo com o
Brasil no final do ano passado pelo governo federal, de acordo com o Operador
Nacional do Sistema Elétrico (ONS).

O motivo, segundo apuração da Reuters e Folha de São Paulo com o órgão, é de que os empreendedores autorizados para a operação ainda não realizaram um teste fundamental de 96 horas ininterruptas na linha de transmissão entre Brasil e Venezuela.

“Eles têm que fazer um teste de 96 horas
contínuas e não conseguiram ainda fazer esse teste. Já passamos essa condição
ao empreendedor. As datas para esses testes já venceram algumas vezes”, afirmou
Luiz Carlos Ciocchi, diretor-geral do ONS.

A operação seria conduzida pela comercializadora de energia Âmbar, pertencente ao grupo J&F, que negociou diretamente com a Venezuela a compra da energia da hidrelétrica de Guri. O contrato será fiscalizado pelo Tribunal de Contas da União (TCU) por causa dos valores aprovados para a transmissão – R$ 2 bilhões por dois anos.

Embora o Ministério de Minas e Energia (MME) tenha
anunciado em dezembro do ano passado a retomada da compra de energia da
Venezuela, a falta de realização do teste essencial tem atrasado o processo.

O objetivo da retomada era reduzir os custos com
o atendimento do Estado de Roraima, que não está integrado ao Sistema
Interligado Nacional (SIN) e depende principalmente da geração termelétrica
local, subsidiada pela Conta de Consumo de Combustíveis (CCC) em torno de R$
1,3 bilhão.

O Brasil esperava reduzir os custos totais para atender Roraima, uma vez que os valores praticados no contrato de comercialização entre Âmbar e Venezuela eram inferiores aos das termelétricas que atualmente fornecem energia para o estado.

Apesar da aprovação da proposta pela Âmbar no
ano passado pelo Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE), a validade
do acordo expirou em janeiro deste ano, sem que os testes necessários fossem
concluídos.

A Gazeta do Povo procurou a Âmbar Energia para comentar o atraso no início da transmissão e aguarda retorno. O MME afirmou que “se mantém mobilizado para receber energia limpa e renovável da Venezuela”.

“A pasta entende que é essencial que se tenha custo mais baixo do que o praticado no sistema isolado de Roraima, que ainda conta com geração a partir de combustíveis fósseis”, pontuou a pasta.

source


Descubra mais sobre Conexão Libertas

Subscribe to get the latest posts sent to your email.

Deixe um comentário