O que Lula e Macron falaram sobre Putin e guerra na Ucrânia

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse, nesta quinta-feira, 28, que não precisa lidar com o presidente da Rússia, Vladimir Putin, com o mesmo “nervosismo” dos europeus, por estar distante da guerra na Ucrânia. O presidente da França, Emmanuel Macron, convidado do petista, afirmou por sua vez que não pode ser “fraco” com os russos.

Macron concluiu nesta quinta em Brasília uma visita de Estado de três dias ao Brasil, a mais prestigiada de um chefe de Estado estrangeiro. Ele foi recebido com tapete vermelho na Praça dos Três Poderes. O francês veio de Paris disposto a tentar convencer o petista a pressionar Putin a parar a guerra.

“Estou a tantos mil quilômetros de distância da Ucrânia que não sou obrigado a ter o mesmo nervosismo que tem o povo francês, que está mais próximo, o povo alemão, o povo europeu”, afirmou Lula. “Os dois bicudos vão ter que se entender”, emendou, referindo-se a Putin e o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky.

+ Leia mais notícias de Mundo em Oeste

A declaração de Lula se soma a outras que soaram como pró-Rússia, na abordagem do conflito. O presidente brasileiro já disse que os dois países tinham responsabilidades similares no conflito, apesar de os russos terem invadido o país vizinho há dois anos unilateralmente. Ele chegou a especular que a Ucrânia cedesse a Crimeia, tomada à força em 2014 por tropas russas, para encerrar a guerra. A proposta repercutiu mal na Europa e foi prontamente rechaçada por Zelensky.

Neste mês, Lula enviou uma carta felicitando Putin por vencer uma eleição controlada, sem adversários reais, que lhe permitirá chegar a 30 anos no poder em Moscou. O PT remeteu a Moscou uma carta citando a vitória histórica de Putin, que foi vista como não democrática por potências ocidentais, devido à repressão e morte de opositores e controle da imprensa.

Putin no G20

vladimir putin - presidente da rússia
Vladimir Putin assumiu o cargo de presidente da Rússia pela primeira vez em 2020 | Foto: Reprodução/Instagram/@russian_kremlin

O presidente insistiu que o Brasil não tomou lado, defendeu a negociação de paz entre Kiev e Moscou e se disse um “pacifista”. Lula foi questionado sobre ter estendido um convite e defendido a presença de Putin no Rio de Janeiro, para a Cúpula do G20, em novembro, e sobre as ameaças de Macron de enviar tropas para lutar na guerra na Ucrânia.

Leia mais:

O petista já havia dito que Putin seria bem-vindo no Brasil, mesmo tendo contra si um mandado de prisão em aberto, expedido pelo Tribunal Penal Internacional. Lula chegou a sugerir que o político russo não seria preso, mas depois recuou e afirmou que a decisão cabia à Justiça. Mesmo assim, integrantes do governo federal têm dito que Putin possui certas imunidades por ser chefe de Estado.

“Conheci o Putin no G7, no G20, na ONU. Nós fazemos partes de várias organizações internacionais que você tem a participação heterogênea de muitos países, muita gente que você não concorda, mas faz parte”, argumentou Lula. “Faz parte do processo democrático conviver democraticamente na adversidade. Não são fóruns de iguais, são de Estados, de países, e temos de respeitar o direito de cada um fazer o que quer no seu país, criticando o que não concorda.”

Macron disse que não deve dar lições de moral a ninguém e que o convite a Putin para o G20 é um problema a ser resolvido pela diplomacia brasileira. Ele, no entanto, indicou que a presença do russo pode não ser construtiva.

“Lula sabe quem ele convida, é de sua responsabilidade. O sentido do G20 é que tudo é feito em comum acordo, em discussão com os outros. Com respeito mútuo, a diplomacia brasileira vai conduzir as concertações com toda a responsabilidade”, disse Macron. “Temos que saber como lidamos com os outros. O sentido desses clubes de reuniões é haver consenso. Nós vamos ajudar. Se valer a pena, nós o faremos. Se não valer a pena e só suscitar divisões entre os pares, não serve.”

Segundo o francês, ele já discutiu antes no âmbito do G7 se Putin deveria ser convidado ou não. Macron afirmou ter recuado depois que outros líderes ameaçaram se ausentar em protesto, caso Putin fosse convidado.

Leia também: “PT parabeniza Putin por reeleição e quer fortalecer ‘laços de parceria e amizade’”

Na prática, o grupo era originalmente o G8, mas a Rússia foi suspensa depois de ter invadido a Crimeia, em 2014. Desde a invasão da Ucrânia, em fevereiro de 2022, as potências europeias e os Estados Unidos têm defendido a exclusão do russo de outros fóruns. Ele não participou do G20 em Nova Déli, Índia, em 2023. O Brasil é contra a estratégia.

Lula, Macron e fala sobre tropas na Ucrânia

Volodymyr Zelensky
A reunião ocorre em um momento crucial para a Ucrânia, já que o presidente Volodymyr Zelensky viaja pelo mundo em busca de mais ajuda na luta contra a invasão da Rússia | Foto: Reprodução/Twitter/X/@front_social_

O francês disse que o Brasil tomou uma decisão relevante de condenar a agressão russa, mas sustentou a necessidade de auxiliar a defesa da Ucrânia indo além de “deplorar a invasão”. Segundo ele, 90% do material bélico usado na Ucrânia vem de fora, sobretudo da Organização do Tratado do Atlântico Norte. Semanas atrás, Macron disse que o envio de tropas europeias à Ucrânia deveria ser considerado, o que gerou controvérsia na aliança militar ocidental, e Putin rebateu

“Temos de ser responsáveis, mas não fracos”, afirmou Macron, no encontro com Lula no Palácio do Planalto. “Fui sincero no que disse. A França é uma potência de paz, quer o diálogo, mas não somos fracos e se houvesse uma escalada sem fim da agressão, temos que nos organizar para não apenas lamentar, defender a democracia e o direito internacional Conversei com Putin durante muito tempo. Se pudermos retomar a discussão, estarei lá.”

YouTube video

Leia também: “O tapa na cara francês”, coluna de Carlo Cauti publicada na Edição 210 da Revista Oeste


Revista Oeste, com informações da Agência Estado

source


Descubra mais sobre Conexão Libertas

Assine para receber os posts mais recentes por e-mail.

Deixe um comentário